Backup no Azure

5 passos para implantar a inteligência competitiva na empresa

Para ocupar lugar de destaque no mercado, uma empresa precisa ter atitudes e soluções inteligentes. E por inteligência, no meio empresarial, entende-se a capacidade de analisar cenários para que seja possível responder rapidamente às mudanças. Essa prática só é possível a partir da Inteligência Competitiva (IC), um conceito que permite que as estratégias do negócio estejam sempre em otimização.

Os fatores externos às empresas são incertos, imprecisos e ambíguos. Porém, por impactarem diretamente no andamento dos negócios, cabe às lideranças estabelecer meios para que seja possível avaliar esse ambiente, que pode parecer alheio à organização, mas que influencia diretamente em seus resultados. Acompanhe no post de hoje como implantar a inteligência competitiva na sua empresa!

Os primeiros passos para a Inteligência Competitiva

As empresas que já perceberam a relevância de ter um “cérebro corporativo”, voltado para questões de sobrevivência no mercado, precisam investir em algumas fases preparatórias para terem condições de implementar um processo de IC:

1. Definir responsáveis

Todo processo precisa de um responsável, podendo até ser mais de um, no caso de o executante não ser também o gestor. Essa definição de papéis precisa ser clara, bem como a atribuição de funções, e é indispensável para o bom andamento de tudo o que envolve a inteligência de mercado.

2. Definir metodologia de coleta

A maneira como as informações necessárias serão coletadas é fundamental para o processo, porque precisa haver um padrão, já que comparar medidas distintas não agrega valor ao trabalho. Portanto, certifique-se de estabelecer parâmetros objetivos e métodos de coleta uniformes.

3. Definir metodologia de análise

É preciso definir como as informações coletadas serão processadas. Haverá análise quantitativa, que resultará em tabelas e gráficos que demonstram métricas, indicadores e tendências? Haverá análise qualitativa, a fim de averiguar ameaças e oportunidades? Qual o contexto de inserção de cada dado?

4. Definir ferramentas

O volume de informações dispersas em mídias diversas costuma ser expressivo e é necessário contar com suporte tecnológico para essa tarefa. Haverá automatização da coleta? Em qual repositório o que for coletado ficará disponível e organizado? Que inteligência de software será empregada para cruzar informações? Como essas informações serão apresentadas?

5. Definir forma de disponibilização

De nada adianta investir em processos, pessoas e ferramentas para implementar um projeto de IC e mapeamento de mercado se os responsáveis por tomada de decisão não estão preparados para acessar o resultado do trabalho. É importante que se contemple um método para a consulta, análise e discussão acerca das informações disponibilizadas com eficácia.

Isso pode ocorrer, por exemplo, em um fórum corporativo periódico, em que cada gestor apresenta os pontos de destaque, em seu entendimento, e lança questões para que o coletivo pense no impacto daquela análise para a realidade da empresa.

Ferramentas de apoio ao conhecimento estratégico

Embora pareça algo muito específico e especializado, a gestão do conhecimento deve permear o cotidiano da empresa, fazendo parte de sua cultura organizacional, para que todo funcionário possa ser um agente do conhecimento estratégico.

Além da expertise de gestão do conhecimento, os profissionais envolvidos e empresas contratadas para fornecer esse serviço precisam dispor de soluções de TI e, para suportar tudo isso, oferecer uma infraestrutura adequada.

Soluções de cloud computing podem ser uma boa saída para quem não possui e não deseja investir em parques tecnológicos. Com isso, não é preciso adquirir equipamentos para comportar a gama de informações coletadas, que serão trabalhadas por soluções de Business Intelligence (BI) ou de Big Data, que realizam mineração de dados em fontes diversas (mídia oficial, dados públicos do governo e redes sociais) de forma a extrair dali todo tipo de informação que pode ser útil ao negócio.

É possível contratar o uso da capacidade de armazenamento e processamento de empresas que oferecem sua própria infraestrutura, ou, ainda, contratar o gerenciamento para que seu equipamento seja potencializado, por meio da virtualização de servidores. Nesse caso, a empresa paga apenas pela capacidade utilizada ou compra planos fechados com pagamento mensal.

É crucial que as empresas entendam a necessidade de se investir em Inteligência Competitiva para avaliar tendências e se preparar para eventualidades. Para isso, é preciso escolher as ferramentas e a infraestrutura de TI mais adequadas ao seu perfil e orçamento disponível.

O que impede sua empresa de iniciar um mapeamento de mercado? Deixe seu comentário abaixo!